Páginas

Facebook

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

União Brasil E PSD Querem Papel De Coadjuvante Na Disputa À Presidência Da República E, No Ceará, Estão De Olho No Palácio Da Abolição.

 



hqdefault

A disputa pelo Governo do Estado e pela Presidência da República estão bem distantes para atrair a atenção dos eleitores, mas, nos bastidores políticos, a movimentação se torna cada mais intensa entre as lideranças que querem o protagonismo ou mesmo o papel de coadjuvante nas eleições de 2022. É, justamente, nessas articulações, que duas forças – União Brasil e PSD, constroem caminhos para ficar perto do centro do poder – lá, em Brasília, e aqui, no Ceará.

A movimentação nacional para viabilização de alianças envolve todas as lideranças partidárias que querem atrair novos filiados e, ao mesmo tempo, se colocar como alternativa ao Palácio do Planalto. O PSD, sob a liderança do ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, trabalha para conquistar o ex-governador Geraldo Alckmin, atualmente filiado ao PSDB e um dos principais nomes para comandar o maior colégio eleitoral do País.

Kassab tenta segurar, também, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, citado como um nome que pode se viabilizar como terceira via na corrida presidencial. O PSD está de olho em outro importante colégio eleitoral – Minas Gerais, onde a articulação é para o atual prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, concorrer ao Governo do Estado. As estratégias se estendem a outros estados e passam pelo Ceará, segundo maior colégio eleitoral da Região Nordeste.

UNIÃO BRASIL CRUZA COM O PSD

As conversas nos bastidores políticos avançam e deixam brigas na disputa por filiados que podem mudar os rumos e a vida de um partido a curto, médio e longo prazo. Se esse é o desejo do presidente da Executiva Nacional do PSD, Gilberto Kassab, a mesma agenda é desenhada, também, pelas lideranças do novo partido União Brasil, originário da fusão do DEM com o PSL. O presidente nacional do DEM, ACM Neto, passou a articular o ingresso do ainda tucano Geraldo Alckmin. A sinalização foi dada, também, para o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

O ‘União Brasil’ começa com 81 deputados federais e com o maior fundo eleitoral entre todos os partidos que irão concorrer às eleições de 2022. A estimativa aponta que, no próximo ano, o ‘União Brasil’ pode ficar com um fundo eleitoral entre R$ 700 milhões e R$ 1 bilhão. Com tanto dinheiro, o novo partido pode cumprir o papel de protagonismo nas eleições no Brasil e no Ceará.

Se o quadro for adverso e a agenda não sair como desenhada, o ‘União Brasil’ terá força e influência no novo governo, cumprindo, assim, o papel de coadjuvante. O interesse e o trabalho para ampliar o número de filiados com potencial eleitoral fazem o ‘União Brasil’ cruzar o caminho do PSD, criando um cenário de guerra nos bastidores para quem busca o protagonismo ou o papel de ‘fiel da balança’, de coadjuvante.

As articulações nacionais para composição de alianças e chapas ao Palácio do Planalto terão repercussão no Ceará. O presidente da Executiva Regional do PSD, Domingos Filho, calcula que, com 32 prefeitos, o partido entrará na chapa majoritária com o PDT e o PT ou com o bloco de oposição liderado pelo Capitão Wagner, que hoje é filiado ao PROS, mas está com um pé no ‘União Brasil’.


                                                      Ceará Agora