Páginas

Facebook

terça-feira, 12 de outubro de 2021

“Não Era Meu Plano”, Diz Izolda Cela Sobre Assumir A Cadeira De Governadora Com Saída Antecipada De Camilo Santana.

 


Izolda-1-600x344

Vice-governadora do Ceará, Izolda Cela pode assumir o Governo em abril, se Camilo deixar a gestão para se dedicar à disputa ao Senado. Foto: ALECE.



A vice-governadora do Ceará, Izolda Cela, do PDT, afirmou que não fazia parte de seus planos assumir a cadeira de governadora do Estado, a partir de abril do próximo ano, com uma eventual saída antecipada de Camilo Santana do cargo.

A informação foi dada durante entrevista ao programa Conexão Assembleia, transmitido nas plataformas de comunicação da Assembleia Legislativa.

Ao ser indagada se aceitaria suceder Camilo Santana, em 2022, na disputa pelo Governo do Estado, Izolda Cela ponderou que antecipar pautas eleitorais atrapalha o serviço público. No entanto, compartilhou sua expectativa de concluir o mandato, no caso de o governador se afastar do cargo para concorrer ao Senado Federal, já em abril próximo, seis meses antes do pleito eleitoral.

“Na verdade, nós não temos nenhuma discussão focada nisso. Essa possibilidade para o governador Camilo é uma possibilidade mesmo. Não era o meu plano, mas cabe a mim cumprir a responsabilidade que tenho. Eu acho que tenho uma coisa que vem a favor: a capacidade de formar equipes. As pessoas escolhidas por critério, por suas competências, pessoas que têm dedicação e emoção, como diz Cid Gomes”, destacou.

Além de estar cotada para assumir a vaga que tende a ser deixada por Camilo, Izolda Cela também figura entre os nomes do PDT que podem disputar a sucessão ao Governo do Estado em 2022, apesar de o nome do ex-prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, aparecer entre os mais cotados.

Na entrevista, a vice-governadora informou ainda que a realização de iniciativas como o réveillon deve depender do quadro de disseminação de Covid-19 até o final do ano. “Para Camilo Santana, desde o início, a expressão é salvar vidas. Muitas ações do Governo aconteceram para dar suporte às pessoas mais seriamente impactadas por essa pandemia. Uma festa de réveillon, penso que só com o aval muito seguro da parte de quem entende, quem estuda, quem analisa, por diversas perspectivas, que são os especialistas com quem temos contado””, defendeu.


                             Jornalista Edison Silva