Páginas

Facebook

sábado, 2 de outubro de 2021

Gerente Da Adagri Afirma Que Não Há Risco De “Doença Da Urina Preta” Em Brejo Santo.

 


WhatsApp%2BImage%2B2021-10-01%2Bat%2B09.38.16


 Aconteceu na manhã desta sexta-feira, 01, uma audiência pública com os pescadores e comerciantes de vendas de peixes de Brejo Santo.


O evento aconteceu na sede da câmara do município e contou com a participação do Gerente de inspeção e fiscalização da pesca e aquicultura da Agência de Defesa Agropecuária do Ceará (Adagri), Antônio Albuquerque.


Segundo o gerente, o peixe que tem larva no olho não trás nenhum mal para o homem. “Não é aconselhado que o peixe seja consumido, mas não trará nenhum problema ao ser humano” disse.


E ressaltou que o  verme não tem relação com a Síndrome de HAFF conhecida popularmente como doença da urina preta. Foram registrados casos da doença no Ceará entre 2016/2017 com 13 casos suspeitos, destes, 6 foram confirmados. Em 2021 a Secretaria de da Saúde do Ceará (Sesa) emitiu nota alertando para a notificação de casos no Estado. Entre os meses de julho e agosto deste ano, nove casos suspeitos da síndrome foram notificados no Ceará – sendo quatro em homens e cinco em mulheres. Do total, oito precisaram de internação hospitalar e um foi acompanhado em ambulatório. Dois pacientes necessitaram de cuidados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), uma mulher de 24 anos e um homem de 81 anos. Nenhum dos pacientes evoluiu para forma grave e/ou óbito.


Um dos pescadores que estava na audiência relatou ter pescado uma traíra que estava infectada com um verme no olho. Dos 14 kg de peixe que ele pescou, apenas um peixe de 800g estava com o verme.


Antônio informou que há o verme do peixe em brejo santo, porém em uma porcentagem minúscula dos peixes não tendo nenhuma ligação com a doença da urina preta.


E salientou que será realizado um cadastramento dos comerciantes de peixes de Brejo Santo juntamente com a vigilância, para controle de qualidade e  indicação do consumo de peixes no município.

 

As notificações de casos/surtos para a síndrome de Haff devem ser registradas no Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) da Sesa.


O alerta deve ser feito por e-mail: cievsceara@gmail.com ou pelo telefone: (85) 3101-4860 / (85) 98724-0455 em dias úteis, fins de semana e feriados.


     Farias Júnior