Páginas

Facebook

sábado, 4 de setembro de 2021

Acarape é o segundo município do Ceará a registrar aplicação de CoronaVac em adolescentes por engano.

 


Adolescentes que receberam CoronaVac por engano devem ser imunizados com a vacina da Pfizer num intervalo de 90 dias(foto: Thais Mesquita)

Adolescentes que receberam CoronaVac por engano devem ser imunizados com a vacina da Pfizer num intervalo de 90 dias(foto: Thais Mesquita)


O município de Acarape, localizado a cerca de 68 km de Fortaleza, é a segunda cidade do Ceará com registro de aplicação da CoronaVac em adolescentes de 12 a 17 anos. A informação foi confirmada pela Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) na noite desta sexta-feira, poucas horas após a pasta ter sido notificada sobre ocorrência semelhante no município de Palmácia, na região Norte do Estado.

O POVO tentou contato com a Prefeitura Municipal de Acarape, por meio de chamada telefônica, através de número disponível no site da instituição, mas a ligação não foi completada. A assessoria de imprensa da gestão ainda não havia sido localizada até a publicação desta matéria. Como última tentativa de contato, a reportagem encaminhou correspondência eletrônica ao Gabinete do Prefeito para saber quantas vacinas foram aplicadas indevidamente e quais providências administrativas serão tomadas pelo Poder Executivo diante do caso.

O município iniciou a vacinação do público adolescente na quinta-feira, 2, quando havia a previsão de aplicar 332 doses no total. O anúncio foi compartilhado nas redes sociais da Secretaria Municipal de Saúde, sem a especificação do tipo de imunizante que seria aplicado. Atualmente, a vacina da Pfizer é a única que tem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para ser administrada em pessoas na faixa etária de 12 a 17 anos no Brasil.

Palmácia

Antes de Acarape, Palmacia, distante a 70 km de Fortaleza, já havia confirmado aplicação de CoronaVac, por engano, em ao menos 66 adolescentes. A informação foi confirmada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), através de nota divulgada nas redes sociais. Segundo a pasta, o erro foi causado devido a um “desvio de informações” acerca do lote utilizado pelos vacinadores.

A Secretaria não esclarece, no entanto, como o problema teria sido originado e quais providências administrativas serão tomadas em relação aos servidores responsáveis pela falha. O POVO tentou contato com a gestão municipal, via chamada telefônica, na noite desta sexta-feira, 3, às 19h41min e às 19h47min, mas ainda não obteve retorno.

Em nota, a Sesa esclarece que a aplicação da vacina é de responsabilidade exclusiva de cada município. Lembra, ainda, que as Secretarias Municipais de saúde foram previamente orientadas sobre a vacinação do público de 12 a 17 anos, que deve ser feita somente com o imunizante da Pfizer.

O Plano Nacional de Imunização (PNI) prevê que, quando houver erro na aplicação do imunizante adequado para o público adolescente, uma segunda dose, dessa vez da Pfizer, deve ser aplicada num intervalo de 90 dias.


                            o Povo