Páginas

Facebook

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Depois da crise, bares e restaurantes estão voltando ao ritmo normal.

 


A pandemia ainda não acabou, mas os números mostram que bares e restaurantes estão retomando o crescimento econômico. Empresário Ibraim Lopes revela otimismo para este segundo semestre.

Foto: Divulgação

Se existe um setor que foi duramente prejudicado com a pandemia é o de bares e restaurantes. Isso se confirma ao analisar que, de março do ano passado até julho deste ano, 30% das empresas de bares e restaurantes fecharam e 20% dos trabalhadores deste setor perderam seus empregos. Para se ter ideia, o faturamento do setor em 2020 foi de R$ 175 bilhões, frente a R$ 235 bilhões em 2019, ou seja, um prejuízo de arrecadação de R$ 60 bi.

Agora, depois do caos, a esperança ressurge para os empresários do setor. Segundo o proprietário do Seu Bar, Ibraim Lopes, “os clientes já estão voltando ao número normal. As pessoas estão sendo vacinadas e com isso já estão superando o receio de sair de casa. Obviamente que as medidas sanitárias estão aí ainda para serem cumpridas, mas é possível aos poucos ir retomando a vida ao normal”, observa.

De acordo com o dono do tradicional estabelecimento localizado na Barra da Tijuca, a expectativa para o restante do ano é animadora: “Dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) mostraram que expectativa de faturamento para este ano é de R$ 215 bilhões. Vale lembrar que somente agora em julho, os números foram bem parecidos com o de julho de 2019. Então a perspectiva é animadora”, destaca.

Uma das iniciativas do poder público para tentar reverter esta situação foi a aprovação recentemente da Lei 9.355/21, que permitiu uma redução de 25% na alíquota de ICMS. O governo acredita que esta medida trará um crescimento de 20% no setor, o que entusiasma Ibraim: “Com essa medida, creio que os investimentos poderão ser retomados, e haverá uma sobra em caixa para pagar as dívidas que foram contraídas com a pandemia. Então imagino que a tendência agora é a situação aos poucos voltar ao normal e todas as dívidas sejam pagas”, finaliza.

                          o Estado Ce