Páginas

Facebook

quarta-feira, 12 de maio de 2021

Comissão Constituição e Justiça e cidadania da câmara municipal nega urgência de decreto que cancela título de cidadão de Bolsonaro em Iguatu.

 













CCJ nega urgência de decreto que cancela título de cidadão de Jair Bolsonaro em Iguatu (Foto: Reprodução)
CCJ nega urgência de decreto que cancela título de cidadão de Jair Bolsonaro em Iguatu (Foto: Reprodução)

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara Municipal de Iguatu negou, na noite desta terça-feira, 12, o pedido de urgência para apreciação decreto legislativo que cancela o título de cidadão de Bolsonaro em Iguatu. Com tramitação convencional da matéria, o presidente da CCJ, Pedro Lavour (PSD), tem até 15 dias para retomar as discussões. 

Na última terça-feira, 4, a Casa aprovou um projeto, de autoria do vereador e vice-presidente da Casa, Rubenildo Cadeira (Republicanos), para conceder ao presidente o título de cidadão de Iguatu. Após repercussão negativa, cinco parlamentares desistiram do voto e assinaram o decreto a fim de revogar a ação.

Nesta terça, o decreto de anulação foi lido pela Mesa Diretora e logo depois foi encaminhada para a CCJ. Na comissão, o texto teve pedido de urgência negado. O vereador Rubenildo defendeu o projeto inicial e considerou o movimento de anulação uma "tentativa de confundir a população". "Eu acho legítimo o decreto, mas dessa forma é para tentar confundir a população, isso é uma armadilha desnecessária. A população já sabe que vocês votaram", disse. O parlamentar manifestou ampla defesa ao presidente da República. 

Já o vereador Dr. Zilfran reforçou sua desistência do título. "Infelizmente, errei em votar contra as minhas convicções. Por ser contra o desmonte na educação pública, contra a reforma recentemente realizada na Previdência, contra essa forma do governo federal e contra essa postura de combate à epidemia do coronavirus. Fiz em respeito ao Rubenildo, com quem eu tenho amizade de longas datas. Quero aqui assumir o erro e vou votar favorável para revogar", destacou. 

                      ( Blog do Amaury Alencar o Povo )