Páginas

Facebook

quarta-feira, 3 de março de 2021

No Ceará, 71 cidades manifestam interesse em comprar vacina pelo consórcio de municípios

 









A unidade hospitalar deve informar aos colaboradores a data e o horário que devem comparecer no equipamento montado no Centro de Eventos para vacinação. (Foto: Aurelio Alves/O Povo)
A unidade hospitalar deve informar aos colaboradores a data e o horário que devem comparecer no equipamento montado no Centro de Eventos para vacinação. (Foto: Aurelio Alves/O Povo)

O consórcio de municípios para compra de vacinas contra a Covid-19 já teve manifestação de interesse de 649 prefeituras, 70 são do Ceará. A lista foi divulgada nessa quarta-feira, 3, pela Federação Nacional de Prefeitos (FNP). No Estado, de acordo com a Secretaria da Saúde, mais de 400 mil pessoas já receberam alguma dose do imunizante e 97.155 já tomaram a segunda dose. Veja quais os municípios cearenses:

JUAZEIRO DO NORTE
SOBRAL
ITAPIPOCA
ARACATI
ACARAÚ
TAUÁ
GRANJA
BOA VIAGEM
BREJO SANTO
SÃO GONÇALO DO AMARANTE
JAGUARIBE
REDENÇÃO
TAMBORIL
JUCÁS
CARIDADE
QUITERIANÓPOLIS
CATARINA
UMIRIM
SANTANA DO CARIRI 
ALTO SANTO
PIQUET CARNEIRO
TURURU
QUIXELÔ
NOVA OLINDA
PORTEIRAS
URUOCA
MIRAÍMA
MILHÃ
SÃO LUÍS DO CURU
PARAMOTI
JAGUARIBARA
ITAIÇABA
GENERAL SAMPAIO
GUARAMIRANGA
SOLONÓPOLE
CAMOCIM
MORAÚJO
HIDROL NDIA
APUIARÉS
IBIAPINA
VIÇOSA DO CEARÁ
CRATO
MISSÃO VELHA
CAUCAIA
IGUATU
IPUEIRAS
SANTA QUITÉRIA
FORTALEZA
ACOPIARA
FRECHEIRINHA
FORTIM
MADALENA
TABULEIRO DO NORTE
SÃO BENEDITO
AQUIRAZ
MILAGRES
DEPUTADO IRAPUAN PINHEIRO
RERIUTABA
CEDRO
JAGUARUANA
VÁRZEA ALEGRE
MARACANAÚ
MERUOCA
JIJOCA DE JERICOACOARA
QUIXADÁ
JAGUARETAMA
ORÓS
PEREIRO
PEDRA BRANCA
CARNAÚBAL 

    O POVO 




Termo de intenção

 

As administrações municipais podem assinar o termo de intenção do consórcio até sexta-feira, 5. A previsão é que a associação seja efetivamente instalada até o dia 22 de março. Deve ser ainda elaborado um modelo de projeto de lei para ser enviado às câmaras municipais para que as cidades participem das compras. 

A ideia é que as prefeituras possam comprar as vacinas caso o Plano Nacional de Imunização (PNI), coordenado pelo Ministério da Saúde, não seja capaz de suprir toda a demanda. “O consórcio não é para comprar imediatamente, mas para termos segurança jurídica no caso de o PNI não dar conta de suprir toda a população. Nesse caso, os prefeitos já teriam alternativa para isso”, explicou o presidente da FNP, Jonas Donizette, durante a reunião de lançamento da iniciativa. 

Estão sendo avaliadas formas de financiar a aquisição dos imunizantes. Há três possibilidades principais: recursos do governo federal; financiamento por organismos internacionais e doações de investidores privados brasileiros.

A lista de prefeituras que demonstraram intenção de aderir ao consórcio está disponível na página da FNP.