Páginas

Facebook

sábado, 13 de março de 2021

Faltam leitos na região Norte do Ceará e paciente morre na porta de hospital

 








Hospital Regional Norte (HRN) em Sobral
Hospital Regional Norte (HRN) em Sobral

Um dos maiores medos de gestores e profissionais de saúde já está acontecendo na região Norte do Ceará. Pacientes morrendo por falta de assistência adequada. Uma idosa esperou por leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) durante cerca de 2h30min na frente do Hospital Regional Norte (HRN). Ela estava dentro de uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e faleceu no local.

Sem nenhum leito de UTI disponível, o sistema de saúde da Zona Norte está esgotado. Municípios não conseguem transferir pacientes. Os leitos de UTI estão com ocupação de 100%. Conforme o IntegraSUS, da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), todos os 126 leitos ativos para Covid-19 estão preenchidos. No caso das enfermarias, a ocupação é de 77,53%. Com a falta de leitos de alta complexidade, Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e hospitais locais mantêm pacientes com necessidade de assistência de complexidade maior do que o município consegue ofertar porque não têm para onde encaminhar.

Na semana passada, a paciente deu entrada no Hospital de Santa Quitéria, foi entubada e encaminhada em vaga zero para o HRN. "Quando chegou lá, não tinha leito, não tinha ponto de oxigênio", afirma Adeilton Mendonça, secretário da Saúde de Santa Quitéria. Ele diz que sistema está "abarrotado". "Às vezes, conseguimos em vaga zero pelo Samu. Geralmente, a gente encaminha para Sobral mesmo. A gente só consegue o leito quando há morte", diz.


Na última quarta-feira, 10, uma moradora de Reriutaba morreu no Hospital Municipal Rita do Vale Rego enquanto esperava uma vaga de leito de UTI. "A paciente encontrava-se inserida no sistema aguardando regulação/vaga, infelizmente, não houve libertação a tempo", informou a prefeitura.

Com a falta de leitos, profissionais usam alternativas extremas, como enviar pacientes em vaga zero, o que ocorre quando encaminham pacientes de alto risco a unidades hospitalares mesmo sem a disponibilidade de vaga no hospital de destino. Algumas unidades têm admitido pacientes extra-leito. Isso ocorre quando a pessoa dá entrada em estado grave, utilizando drogas de UTIs, com suporte ventilatório, mas não está em uma UTI.

Henrique Morais, coordenador de enfermagem da UPA de Acaraú e intervencionista do Samu Ceará, detalha que os hospitais ficam com os pacientes, estabilizam e tentam a vaga nos hospitais de referência. "A gente pega o paciente e não tem certeza se vai ter vaga. A espera está sendo na faixa de 24h a 48h, pendendo para mais", mensura. Pacientes que precisam de suporte maior aguardam mais pela regulação. Ele conta que a espera por UTI já chegou a cinco dias. "Se eles não tem vagas para gente, fica uma pressão muito grande nos municípios, porque não tem suporte. A nossa referência é Sobral, mas já levei para Fortaleza e para Crateús. Se o paciente tem alto risco de vida, a gente manda na vaga zero", acrescenta.

Em Bela Cruz, a situação começou a se agravar há cerca de duas semanas. "As unidades têm perfil de paciente até moderado. Mas a avaliação do paciente é constante e o quadro pode evoluir rapidamente. O paciente passa a ser grave. A gente estava com uma média diária de 5 pacientes de internação. Hoje, são 10, 12", diz Denis Moreira, enfermeiro do Hospital Municipal de Bela Cruz.

Conforme Regina Carvalho, secretária da Saúde de Sobral, a macrorregião Norte registrava, até o início da tarde de ontem, 12, 60 pacientes aguardando leitos de enfermaria e 25 aguardando leitos de UTI para transferência para Sobral. "Hoje, O HRN está com 5 pacientes extra leitos e o Hospital de Campanha Dr. Alves está com 2", afirma.

Segundo ela, a situação só não é considerada "um colapso" porque há possibilidade de ampliar em poucos dias. "Colapso é quando não tem mais possibilidade de fazer mais nada, se esgota. Quando chegar, posso imediatamente abrir", analisa. O município aguarda o envio kits compostos por camas hospitalares, respiradores, monitores e bombas de fusão. Enquanto isso, "estamos nos antecipando em montar equipes e aguardando esses equipamentos", diz.

Segundo a secretária, a demanda de pacientes em filas de espera é muito alta e as UPAs estão exauridas. "Estamos na luta para ver se conseguimos ampliar os leitos na próxima semana", projeta. No Hospital de Campanha, 10 leitos de enfermaria devem ser transformados em UTIs. Serão 10 leitos de UTI na Santa Casa e 32 leitos de UTI e 60, de enfermaria no HRN, segundo a proposta de ampliação do Governo do Estado.

O POVO solicitou informações sobre a situação à Sesa e ao Hospital Regional Norte. As assessorias dos órgãos responderam que não havia fonte disponível. 


                           O POVO