sexta-feira, 19 de março de 2021

“Cabe ao PDT a prerrogativa de indicar o nome à sucessão de Camilo”, defende presidente do partido

 












O ciclo administrativo do Governo Camilo Santana só se encerra em dezembro do próximo ano, mas já há articulações em andamento para a sucessão da atual gestão.

De acordo com o presidente do PDT do Ceará, o deputado federal André Figueiredo, por ser a maior sigla da base governista, cabe à agremiação a prerrogativa de indicar o sucessor do governador, cabendo às demais legendas a negociação de outras vagas na disputa, sendo uma a vice e outra a senador.

De acordo com o dirigente, o PDT tem trabalhado na perspectiva de apresentar uma relação de nomes fortes para a disputa proporcional, seja para deputado federal ou estadual, de modo a pelo menos manter a quantidade de parlamentares na Câmara Federal e eleger o maior número de parlamentares para a Assembleia Legislativa. Atualmente, o partido possui cinco deputados cearenses no Congresso Nacional, além de um senador, Cid Gomes. No Legislativo estadual são 13 representantes da sigla pedetista.

Nas eleições de 2018, além dos membros do PDT, a coligação composta conseguiu eleger, ao todo, 20 parlamentares. No entanto, no pleito de 2022 a legislação não permite mais aglutinações de legendas na disputa proporcional. “Isso nos credencia a fazer uma nominata forte, buscando candidaturas novas e candidaturas que hoje estão em outros partidos e não façam nominatas e tenham identidade com o PDT”, disse.

“Nas disputas majoritárias temos pré-candidatos ao Governo do Estado. O PDT, por ser o maior partido, e por termos o PT à frente do Governo nos últimos oito anos, creio que cabe ao PDT a prerrogativa de indicar o candidato à sucessão do Camilo, devendo os partidos que vão compor a coligação indicar as outras vagas, como de vice-governador e senador” – (André Figueiredo)

Ainda de acordo com o parlamentar, a disputa presidencial do próximo ano tende a ser acirrada, inclusive, com a participação de Ciro Gomes, principal liderança política do PDT. Segundo disse, a candidatura do pedetista não será negociada e ele será o nome da legenda na disputa. “A candidatura do Ciro está posta e consolidada e não será objeto de negociação. Será objeto para somar com outras forças“, disse.

No entanto, ele acredita que o acirramento em nível federal pouco influenciará nas relações locais entre petistas e pedetistas. “Esperamos ter excelente relacionamento com o PT e outros partidos que não apoiam o Ciro. Não temos nenhuma compreensão que haverá clima diferente de outras eleições em que não estivemos juntos. Nem por isso houve rompimento das forças locais”, lembrou.

Tamanho do PDT atualmente no Ceará:

A Vice-governadora

Um senador

Deputados federais – 5

Deputados estaduais – 13

Prefeitos eleitos em 2020 – 66

Vereadores de Fortaleza – 10

Para André Figueiredo, PDT pretende manter número de quadros na Câmara Federal e fortalecer a bancada na Assembleia Legislativa do Ceará. Foto: Agência Câmara.












                                             Edson Silva 

Nas eleições de 2018, além dos membros do PDT, a coligação composta conseguiu eleger, ao todo, 20 parlamentares. No entanto, no pleito de 2022 a legislação não permite mais aglutinações de legendas na disputa proporcional. “Isso nos credencia a fazer uma nominata forte, buscando candidaturas novas e candidaturas que hoje estão em outros partidos e não façam nominatas e tenham identidade com o PDT”, disse.

“Nas disputas majoritárias temos pré-candidatos ao Governo do Estado. O PDT, por ser o maior partido, e por termos o PT à frente do Governo nos últimos oito anos, creio que cabe ao PDT a prerrogativa de indicar o candidato à sucessão do Camilo, devendo os partidos que vão compor a coligação indicar as outras vagas, como de vice-governador e senador” – (André Figueiredo)

Ainda de acordo com o parlamentar, a disputa presidencial do próximo ano tende a ser acirrada, inclusive, com a participação de Ciro Gomes, principal liderança política do PDT. Segundo disse, a candidatura do pedetista não será negociada e ele será o nome da legenda na disputa. “A candidatura do Ciro está posta e consolidada e não será objeto de negociação. Será objeto para somar com outras forças“, disse.

No entanto, ele acredita que o acirramento em nível federal pouco influenciará nas relações locais entre petistas e pedetistas. “Esperamos ter excelente relacionamento com o PT e outros partidos que não apoiam o Ciro. Não temos nenhuma compreensão que haverá clima diferente de outras eleições em que não estivemos juntos. Nem por isso houve rompimento das forças locais”, lembrou.

Tamanho do PDT atualmente no Ceará:

A Vice-governadora

Um senador

Deputados federais – 5

Deputados estaduais – 13

Prefeitos eleitos em 2020 – 66

Vereadores de Fortaleza – 10 

       

 BLOG DO  EDSON SILVA 

Nenhum comentário:

Postar um comentário