terça-feira, 15 de dezembro de 2020

Três policiais militares são presos por participação em chacina que deixou cinco mortos, em Quiterianópolis

 

Movimento no local em que ocorreu a chacina em Quiterianópolis (Foto: LEITOR VIA WHATSAPP)
Movimento no local em que ocorreu a chacina em Quiterianópolis (Foto: LEITOR VIA WHATSAPP)

Três policiais militares foram presos, nesta terça-feira, 15, por participação na chacina que deixou cinco pessoas mortas em Quiterianópolis, no último dia 18 de outubro. Desses, um é oficial e outros dois são praças da PM. A informação foi confirmada pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Eles são investigados por serem os executores do crime.

De acordo com a pasta, foram cumpridos mandados de prisão temporária e de busca e apreensão. Uma comissão composta pelas delegacias Municipal de Quiterianópolis e Regional de Tauá, e pelos Departamentos de Polícia Judiciária do Interior Sul (DPJI Sul), de Inteligência Policial (DIP) e do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), foi responsável pela investigação.

O trabalho teve ainda a cooperação da Coordenadoria de Inteligência (Coin) da SSPDS e da Assessoria de Inteligência da Polícia Militar do Ceará (PMCE). Ainda conforme a pasta, participaram da operação nesta terça policiais civis e militares. Eles tiveram apoio da Delegacia de Assuntos Internos (DAI) da Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD).



O crime

 

Cinco pessoas foram mortas em chacina na cidade localizada a 400 km de Fortaleza na tarde de um domingo, 18 de outubro. As vítimas estavam reunidas no alpendre de uma residência quando foram surpreendidas pelos criminosos. Os executores do crime chegaram mandando que as pessoas fossem para o chão.

Na época, chegou a circular um vídeo na Internet mostrando as vítimas caídas ao chão e outras pessoas ao redor, gritando e chorando, pedindo por socorro. Além das cinco pessoas que morreram, uma sexta vítima foi socorrida e conseguiu sobreviver.


O POVO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário