terça-feira, 25 de agosto de 2020

SOBRAL ABANDONADA: Mototaxista acidentado há mais de dois anos ainda hoje sofre à espera de cirurgia

 mototaxi






Há mais de dois anos, o mototaxista Benedito Cláudio Melo (54) está sem trabalho, sobrevivendo da caridade de amigos e familiares. E padece de intensas dores físicas e psicológicas. Vítima de acidente de trânsito, já passou por duas cirurgias, sem que o problema fosse reduzido. Aguarda uma terceira, mas se desespera com tanta dor, a ponto de pedir para que ampute seu braço.

Benedito Melo quebrou o braço esquerdo em seis partes, quando foi atropelado, enquanto trabalhava em sua motocicleta, no dia 13 de agosto de 2018, na rotatória do Arco de Nossa Senhora de Fátima, na Avenida Dr. Guarany, no Centro de Sobral. Segundo o mototaxista, o homem que conduzia o veículo que o atropelou avançou o sinal vermelho, colidiu com sua moto e fugiu do local sem prestar socorro.

A vítima permaneceu no local da queda, por cerca de 45 minutos, à espera do Samu, que o socorreu e o levou para a Santa Casa de Sobral, onde passou por exames. Lá, o médico de plantão informou que Benedito passaria por uma cirurgia, mas a operação só foi realizada três meses depois do ocorrido. Depois da intervenção cirúrgica, os problemas de Benedito só aumentaram. “ Com seis meses, meu corpo rejeitou o material colocado no braço. Foi feita nova operação”, disse. Dois meses depois, ainda sentindo fortes dores, o mototaxista voltou ao médico. “ O raio-X mostrou que o braço continuava quebrado em seis partes; aí, o médico disse que iria me transferir para Fortaleza. Nisso, já se completaram dois anos”, ressalta.
osso
“Fui atendido pelo município e levado ao Hospital Geral, em Fortaleza, pelo carro da Secretaria de Saúde, por três vezes, mas ficou nessa de opera, não opera. Então, remarcaram um retorno para o dia quatro de agosto deste ano; quando estava perto de eu ir, me ligaram de Fortaleza para dizer que o retorno ficou para o dia 2 de fevereiro do próximo ano”, reclama o mototaxista, que se queixa de fortes dores por todo o braço.

Além de não poder mais conduzir a motocicleta para trabalhar, Benedito ficou impossibilitado de realizar atividades básicas. O braço está imobilizado e tem perdido muito do tônus muscular. Dois dedos já perderam a sensibilidade. A dor é intensa, diz a vítima. “Dói direto. Tem dias que eu me maldigo. É dor demais. Agora, o médico diz que terei que colocar um osso do quadril na mão, para voltar a ter o movimento”, diz.

“O médico diz que tudo isso é devido ao tempo, à demora da operação”, explica o homem, que levou o caso à Justiça, depois de localizar o autor do acidente e tentar negociar com ele, pelo menos, a compra de remédios, o que não foi atendido. Benedito tem sobrevivido com a ajuda de amigos e parentes. “Com cesta básica de outros mototaxistas, é assim que tenho vivido. Mas meu aluguel está atrasado, por cinco meses. Do município, eu quero resolver o problema do meu braço. Já falei com o antigo secretário Gerardo Cristino, que ficou me ajudar, mas nada fez; falei com a nova secretária, com o prefeito Ivo, mas nada foi feito também. Na frente do prefeito foi uma coisa, mas depois, com a papelada na mão, a secretária nem me atendeu. Disse que estava ocupada”, revela o homem, que tem utilizado o benefício do Governo para pagar as contas de água e luz

“Eu quero Justiça”, clama Benedido, em meio a fortes dores. O Homem prefere não revelar o nome da pessoa que o atropelou, para não atrapalhar o andamento do processo. “Enquanto eu estou sem fazer nada por causa dele, ele segue trabalhando. Só teve uma audiência, onde a advogada dele falou que o culpado fui eu. Mas ela não tinha provas. Por isso, ela ainda foi alertada pelo promotor sobre falso testemunho. Depois, fechou tudo, por causa do coronavírus, já faz uns seis meses, isso aí”, lembra Benedito Melo, que pede para divulgar seu contato, na esperança de ajuda para as despesas.

Quem quiser ajudá-lo, pode entrar em contato pelo número 88 9 92253823.

Fonte: Edwalcyr Santos / Sobral Post

Nenhum comentário:

Postar um comentário