segunda-feira, 24 de agosto de 2020

Padre Robson é alvo de operação que investiga suposto desvio de doações; Justiça nega pedido de prisão do MP

 


01



O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) pediu a prisão do padre Robson de Oliveira Pereira, reitor do Santuário Basílica de Trindade, no âmbito do processo que apura irregularidades na Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), da qual é presidente. No entanto, a Justiça negou a solicitação.

O corpo jurídico da Afipe informou que “não foi pego de surpresa” com a operação e que, no passado, “se colocou à disposição do Ministério Público”. Salientou ainda que o padre Robson acompanhou toda a operação e que tudo segue em “extremo sigilo”.

A operação “Vendilhões” foi deflagrada na manhã desta sexta-feira, 21, para investigar diversos crimes, inclusive lavagem de dinheiro que era doado à entidade para arcar com os custos da construção do novo Santuário Basílica. Foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão, em imóveis de Goiânia e Trindade. Inclusive, em propriedades de luxo vinculadas ao padre Robson.

Em sua justificativa para pedir a detenção, o MP-GO afirmou que a prisão era necessária porque o padre, “há vários anos”, estaria se apropriando de recurso da Afipe, bem como “promovendo a transferência de bens desta para terceiros”. Além da prisão, pleiteou ainda que ele fosse afastado do cargo diretivo da associação, bem como proibido de entrar nos imóveis da entidade.

A promotoria ressalta que o padre administra entidades que recebem mais de R$ 20 milhões mensais em doações de todo o Brasil e estaria usando os valores em benefício de terceiros. Foi constatado que, nos últimos dez anos, a associação movimentou em suas contas mais de R$ 2 bilhões.

De acordo com a denúncia do MP, houve pagamentos indevidos de cerca de R$ 120 milhões, só nós últimos três anos, por parte da Afipe para grupos de empresas e pessoas. Constatou-se que esses gastos não tinham vínculo com questões religiosas, mas com outros negócios, como a compra de imóveis, propriedades rurais, cabeças de gado e emissoras de rádio, diz o MP.

Juíza indeferiu pedido

Porém, em seu despacho indeferindo o pedido, a juíza Placidina Pires, disse que o padre é “líder religioso, primário e de bons antecedentes criminais”.

Ela ressaltou ainda que “a simples existência de indícios da prática de crimes de natureza grave” não são suficientes para determinar a prisão do religioso”. Destacou ainda que na denúncia do MP, “não há informações concretas de que, em liberdade, o padres investigado destruirá provas ou intimidará testemunhas”, não sendo necessária sua prisão.

Pelos mesmos motivos, a magistrada também negou os pedidos de afastamento do cargo diretivo e da proibição de acesso do padre à Afipe.

Do Repórter Ceará – G1 (Foto: Afipe/Divulgação)

Nenhum comentário:

Postar um comentário