terça-feira, 26 de maio de 2020

Após agressões, jornais decidem não enviar mais jornalistas ao Alvorada

Virou rotina apoiadores do presidente ofenderem os jornalistas na saída do Alvorada (Foto: Ed Alves)

 

As constantes agressões de apoiadores de Jair Bolsonaro, estimuladas pelo próprio com os habituais destemperos contra a imprensa, levou o Grupo Globo e o Grupo Folha a retirarem seus repórteres da cobertura da entrada do Palácio da Alvorada. Separados apenas por uma grande da claque que se aglomera em busca de atenção do presidente, os jornalistas têm sido alvos de xingamentos, ironias e ameaças. Mas, ontem, a hostilidade passou do tom, pois foi mais agressiva que o habitual — o que levou os dois veículos a tomarem a decisão de proteger seus profissionais.

A única medida das autoridades em favor dos jornalistas foi separar os cercados dos dois grupos, o que não evitou para que as hostilidades cessassem. A ação dos seguranças da Presidência é insuficiente para coibir as agressões e, geralmente, quando intervêm, é sempre depois de os repórteres já terem escutado um rol de xingamentos pelos bolsonaristas.

Temendo que a situação fuja do controle, o Grupo Globo comunicou sua decisão, por carta, ao ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno. “São muitos os insultos e os apupos que os nossos profissionais vêm sofrendo dia a dia por parte dos militantes que ali se encontram, sem qualquer segurança para o trabalho jornalístico”, diz a nota, em certo trecho. E completa: “Com a responsabilidade que temos com nossos colaboradores, e não havendo segurança para o trabalho, tivemos que tomar essa decisão”. A Folha tomou a mesma decisão.

Em nota, a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) apoiou a decisão dos dois grupos. “Esses ataques ganharam corpo e se tornaram mais graves, havendo, inclusive, agressões físicas a repórteres por parte da claque bolsonarista (…). A ABI saúda esta decisão e parabeniza as Organizações Globo e o Grupo Folha”.
Ontem, um grupo de aproximadamente 15 pessoas era o mais exaltado contra os jornalistas. As agressões verbais ocorreram pouco depois de o próprio presidente criticar jornalistas. “O dia em que vocês tiverem compromisso com a verdade, eu falo com vocês”, disse Bolsonaro, indicando que não daria entrevista. Foi a senha para os ataques da claque. “Mídia lixo”, “comunistas”, “safados” foram alguns dos insultos ditos logo depois de o presidente deixar o local. A segurança no Palácio da Alvorada é responsabilidade do GSI, que, procurado, não se manifestou até o fechamento desta edição.
Correio já havia deixado o local
Há pelo menos 45 dias, o Correio não faz mais a cobertura presencial de Jair Bolsonaro, no portão do Palácio da Alvorada. A decisão foi tomada não apenas porque o jornal percebera que os apoiadores do presidente estavam cada vez mais exaltados. A retirada da equipe de cobertura deu-se também por motivos de saúde pública, pois a recomendação das autoridades é para que se evitem aglomerações e o contato próximo com pessoas sem a máscara de proteção.
Com informações portal Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário