OS IMPACTOS AMBIENTAIS, SOCIAIS E CULTURAIS DA 1ª MANCHA VERDE URBANA DA CAATINGA, NASCIDA GRAÇAS A ATITUDE DO PROJETO JOVENS AMBIENTALISTAS DE PACUJÁ DA EEF CORIOLANO ALVES DE BRITO, TEM EFEITOS POSITIVOS.

 






Esta iniciativa pioneira na Região Norte quiçá do Estado do Ceará, encontra-se na simpática cidade de Pacujá, nascida a partir de uma ATITUDE e uma DECISÃO POLÍTICA para eliminação lenta e gradual do "nim indiano", usado erroneamente como arborização urbana cujos resultados são um verdadeiro desastre no que tange a voracidade de suas raízes que danificam estruturas de residências, prédios públicos e comerciais, calçamento e asfalto além de ser uma espécie invasora que interfere no Bioma Caatinga, repelente natural nocivo as espécies vivas nativas (aves e insetos) e o mais grave, é abortiva. 

Essa problemática está encontrando soluções com o surgimento das "manchas verdes urbana da Caatinga" com a eliminação radical dessa espécie exótica vinda do Oriente nos espaços públicos da cidade de Pacujá. Um dos exemplos mais visíveis e aplaudido é a 1ª Mancha Verdes Urbana da Caatinga em frente ao Estádio Municipal Pueirão, numa área de 142m contínuos, em frente e ao longo da muralha do aludido estádio, foram retirados 154 espécies do nim indiano e substituídos por 207 árvores na maioria nativas da Caatinga, algumas fruteiras e pouquíssimas ornamentais exóticas, duas espécies já substituídas por nativas. A 2ª Mancha Verde Urbana da Caatinga, encontra-se em frente a EEF João Lopes de Matos, trabalhada por crianças e adolescentes do braço do Projeto na referida unidade de ensino, com os mesmos propósitos da 1ª Mancha Verde Urbana da Caatinga.
ANTES a retirada do nim indiano causou um vazio porém, as Árvores Nativas do nosso Bioma foram crescendo e ocupando gradativamente seus lugares de honra e HOJE, o que vemos é uma área com uma cobertura vegetal sensacional impactando na geografia local, melhorando o clima e o verde dando mais vigor e beleza a cidade.
UM CAMPUS PARA AULAS A CÉU ABERTO E UM LABORATÓRIO NATURAL, TRABALHADO POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES DESSA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL, QUE PROJETOU O MUNICÍPIO DE PACAJÁ  COMO EXEMPLO EXITOSO DE CUIDADO COM A CAATINGA E O MEIO AMBIENTE.
Atualmente o espaço serve para observação de estudantes, trabalhos educativos, aula de campo sobre a importância da ÁRVORES e da integridade do Bioma Caatinga. As imagens são a comprovação em tempo real de uma aula de campo para alunos do 4º ano, da EEF Coriolano Alves de Brito, uma iniciativa da Escola que teve o apoio do NUCA UNICEF PACUJÁ e da Articulação do Selo UNICEF - Edição 2021 - 2024.
A Profª FÁTIMA HELENA que acompanhou as crianças do 4ª ano, ficou maravilhada 1º pelo comportamento e interesse da turma, 2º por testemunhar os efeitos radicais e positivos dessa iniciativa, nas árvores especialmente nos Sabiás com espinho verificamos muitos pássaros e ninhos além de um local agradável cuja sombra das inúmeras árvores, nos proporciona um clima tropical ameno e úmido bastante agradável. Louvável iniciativa e que outras escolas sigam esse exemplo, o aluno terá muito o que aprender, na prática.
Foi na sombra do Sabiá com espinhos e do Angico, que nos reunimos para ouvi o ambientalista Antônio Carlos que acompanha de perto o projeto, ele nomeou todas as árvores existentes no local. 
O Projeto Jovens Ambientalistas de Pacujá foi objeto de estudos por ocasião da realização da 1ª Conferência da Caatinga realizada na Assembléia Legislativa do Ceará com a participação dos Estados Nordestinos, Minas Gerais e Espírito Santo e, também de várias matérias entre elas nos Jornais Diário do Nordeste, O POVO, Revista ATUAL (MG), blogs, sites de notícias e ampla divulgação nas redes sociais. Afirma o secretário adjunto do Meio Ambiente e articulador do Selo UNICEF - Edição 2021 - 2024, esta experiência foi também, levada ao conhecimento do UNICEF, afirma o ambientalista Jorge de Moura, autor do projeto.

Postar um comentário

0 Comentários